A segunda passagem pelos troços da tarde > canceladas!

Especiais da tarde foram canceladas!

Organização tomou a decisão por razões de segurança

A segunda passagem pelos troços do dia 2 de competição no Vodafone Rally de Portugal foi cancelada por questões de segurança.

A organzação já tinha decidido não realizar a especial 10, São Brás de Alportel 2, para evitar que acontecesse algo semelhante ao que se passou de manhã, com o carro de Yazeed Al Rahji a ficar preso numa passagem de água na ligação entre as especiais 6 e 7, bloqueando os carros que lhe seguiam.
Devido às difíceis condições meteorológicas, a organização optou por cancelar as restantes especiais na segunda secção por questões de segurança. Assim, as classificativas 8, 9 e 10 não se realizam.

Mau tempo faz etapa acabar mais cedo

Quarta secção (PC8, PC9 e PC10) anulada por razões de segurança

Foi caótico o segundo dia do Vodafone Rally de Portugal, que teve um final prematuro, em consequência das más condições atmosféricas e por razões de segurança.

Vários pilotos saíram da estrada, que se apresentava muito escorregadia, para além de terem de lutar com a falta de visibilidade.

As esperanças de Ott Tanak, Craig Breen, Hayden Paddon e Daniel Oliveira foram por água a abaixo por causa dessas condições.

A quantidade de água na estrada forçou os organizadores a anularem a segunda parte da etapa, em nome da segurança.

A primeira especial do dia deu o tom para o que ia acontecer.

A chuva, que chegou a cair com intensidade, tornou as estradas muitíssimo escorregadias, com o nevoeiro a permitir uma visibilidade de 10 metros, o que impedia os pilotos de forçar o andamento.

E o primeiro a ter problemas foi Jari-Matti Latvala, logo na classificativa de abertura, quando, a 1 300 metros do final da especial, saiu da estrada.

Logo a seguir foi o seu companheiro de equipa, Petter Solberg, a fazer o mesmo, com os carros a ficarem pouco danificados, o que lhes vai permitir regressar à estrada amanhã.

Para todos os outros pilotos foi mais importante terminarem a etapa, do que alcançarem bons tempos, o que era quase impossível de suceder face às difíceis condições que tinham de enfrentar.

Nasser Al-Attiyah reconhecia como compreensível que tantos pilotos tivessem saído da estrada, enquanto Armindo Araújo explicava que as constantes alterações nas condições de aderência tornavam muito difícil a condução e impediam os pilotos de ter confiança.

No entanto, na ligação entre a PC6 e a PC7, uma ribeira aumentou de intensidade, Yazeed Al Rajhi não conseguiu que o seu Fiesta S2000 saisse do local pelos seus próprios meios e só o fez com ajuda externa.

Durante a passagem pelo Parque de Assistência, a organização decidiu anular o resto do dia, receando que numa situação de emergência não fosse possível socorrer os carros acidentados, para além da preocupação com a segurança dos espectadores.

Mudanças para a secção da tarde

Carro atascado leva a atraso para a segunda ronda do dia

A segunda passagem pelos troços do dia de hoje do Vodafone Rally de Portugal foi adiada em 30 ou 60 minutos. A direcção de prova teve de tomar esta decisão depois de um carro ter ficado atascado numa ribeira na ligação entre os troços 6 e 7 e, deste modo, impediu a passagem dos restantes concorrentes.

A derradeira classificativa da manhã foi, por isso, neutralizada para quem não conseguiu chegar ao controlo de partida e as equipas foram encaminhadas directamente para o parque de assistência. A organização optou, assim, por atrasar a partida para a segunda secção e garantir que os pilotos atrasados cheguem a tempo ao Estádio do Algarve.
Para evitar que este problema se repita, os responsáveis pelo rali optaram por cancelar a nova passagem pelo troço de São Brás de Alportel, que seria a especial número 10 do evento. Assim, a nona classificativa, Alcarias 2, será a derradeira do dia de hoje.

O mau tempo não perturbou toda a gente.

Dani Sordo aproveitou o facto de ser o primeiro na estrada para ser o mais rápido nas três especiais do dia, apesar de, também ele, mostrar preocupação com as faltas de aderência e visibilidade, tendo admitido que a sua preocupação era terminar as especiais, acabando o dia em 13.º

Outro beneficiado foi Mikko Hirvonen, que comanda a prova, que, depois do abandono dos dois Ford, teve a preocupação de terminar as classificativas, sem se preocupar demasiado com o tempo feito.

No final da etapa, o piloto reconhecia que estas tinham sido as piores condições atmosféricas que tinha enfrentado.

Hirvonen comanda com 36,3 de vantagem sobre Evgeny Novikov e 41,8 s. sobre Mads Ostberg.

Foi caótico o segundo dia do Vodafone Rally de Portugal, que teve um final prematuro, em consequência das más condições atmosféricas e por razões de segurança.

Vários pilotos saíram da estrada, que se apresentava muito escorregadia, para além de terem de lutar com a falta de visibilidade.

As esperanças de Ott Tanak, Craig Breen, Hayden Paddon e Daniel Oliveira foram por água a abaixo por causa dessas condições.

A quantidade de água na estrada forçou os organizadores a anularem a segunda parte da etapa, em nome da segurança.

A primeira especial do dia deu o tom para o que ia acontecer.

A chuva, que chegou a cair com intensidade, tornou as estradas muitíssimo escorregadias, com o nevoeiro a permitir uma visibilidade de 10 metros, o que impedia os pilotos de forçar o andamento.

E o primeiro a ter problemas foi Jari-Matti Latvala, logo na classificativa de abertura, quando, a 1 300 metros do final da especial, saiu da estrada.

Logo a seguir foi o seu companheiro de equipa, Petter Solberg, a fazer o mesmo, com os carros a ficarem pouco danificados, o que lhes vai permitir regressar à estrada amanhã.

Para todos os outros pilotos foi mais importante terminarem a etapa, do que alcançarem bons tempos, o que era quase impossível de suceder face às difíceis condições que tinham de enfrentar.

Nasser Al-Attiyah reconhecia como compreensível que tantos pilotos tivessem saído da estrada, enquanto Armindo Araújo explicava que as constantes alterações nas condições de aderência tornavam muito difícil a condução e impediam os pilotos de ter confiança.

No entanto, na ligação entre a PC6 e a PC7, uma ribeira aumentou de intensidade, Yazeed Al Rajhi não conseguiu que o seu Fiesta S2000 saisse do local pelos seus próprios meios e só o fez com ajuda externa.

Durante a passagem pelo Parque de Assistência, a organização decidiu anular o resto do dia, receando que numa situação de emergência não fosse possível socorrer os carros acidentados, para além da preocupação com a segurança dos espectadores.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s